Venha ser um bruxo e jogar RPG no mundo de Harry Potter! Vagas ilimitadas!


--/--/----
Clima:
texto texto texto texto
texto texto texto texto
Início de Período:
--/--/----
Termino de Período:
--/--/----
Eventos: nada relevante


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Sorveteria O Velo de Ouro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 12, 2010 4:55 pm

Dharana BlackCrow

avatar
Lugar discreto e de freguesia seleta . Tem sua maior procura motivada pelo seu lendário sorvete de morango. Intelectuais e pessoas de bom gosto se amontoam no pequeno lugar em busca de respirar o ar mais cult da cidade e ficar por dentro dos acontecimentos de vanguarda.


Uploaded with ImageShack.us


_________________

2 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 12, 2010 4:59 pm

Ctaaciug Xyeetnuut

avatar
Professor de Hogwarts
Professor de Hogwarts
Em uma sorveteria de Londres.

Após a acompanhar até uma sorveteria e transfigurar sua roupa para algo mais de acordo com a ambiente. Ele se senta, apreciando devagar um sorvete de morango, enquanto fala a ela e espera ver o pedido da mesma.

-Respondendo a sua pergunta de mais cedo, sim eu tenho tempo senhorita e muito interessado estou no seu sobrenome. Não se preocupe com o ambiente, uma cidade grande tende a fazer com que as pessoas se foquem em seu mundo interno mais do que se focar nos arredores.

3 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 12, 2010 5:15 pm

Dharana BlackCrow

avatar
Acompanhou o professor enquanto se livrava do cigarro. Caminharam em silencio até um local pouco conhecido, mas nem por isso, menos interessante. A sorveteria era pequena e aconchegante e o principal,
aliviava o calor que estava tomando conta da cidade. Estavam na area trouxa, então era melhor tomar cuidado para não usar toda a mágia a que ela estava acostumada.

- Um sorvete de ameixa preta por favor, com cobertura de côco em calda. - aguardou o pedido chegar enquanto um pesado silencio estava se instalando. Procurava não olhar nos olhos dele e muito menos pensar em nada que fosse comprometedor.

Limpou a garganta do pigarro do cigarro depois de deliciar-se com a primeira colherada do sorvete. Lambeu a colher com denotada satisfação e então criou coragem de falar sobre o assunto que não era o seu favorito, mas inevitável.

- O senhor não é a primeria pessoa que demonstra curiosidade sobre o meu sobrenome. - um certo constrangimento podia ser percebido em sua expressão e ela começou então a enrolar uma mecha dos longos cabelos nos dedos. Criando coragem foi em frente.

- Sinto decepcioná-lo, mas é apenas um nome a toa que nos deram no orfanato onde cresci. A pessoa que nos encontrou não fazia idéia de como nos nomear pois não tinhamos documento algum.

O que ele tinha de especial que a fazia confessar um dos seus segredos mais bem guardados como se falassem do tempo? Não tinha necessidade alguma de expor sua vida para um completo desconhecido, e no entanto estava ali a matraquear como uma comadre. Mas era preciso uma isca grande para se atrair um bom cardume e para desviar do fato de terem se encontrado na travessa do tranco.

- A única coisa que tenho, e que deve ter pertencido a minha familia, é um broche que estava preso no cobertor. Nele a figura de um corvo negro esta adornado por algumas pedras.

- A ideia do sobrenome veio deste artefato. O senhor tem algum conhecimento de historia bruxa, e com certeza o relacionou com os fundadores da escola. Mas lhe garanto que se trata de mera coincidencia.

- E o senhor, o que o traz a londres em um dia tão quente? - mudar de assunto sempre era providencial - O senhor já pensou em testar a sua teoria do paradoxo e nos ajudar a resgatar um livro em especial que estamos tentando trazer para a biblioteca?


_________________

4 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Ter Set 14, 2010 8:02 pm

Ctaaciug Xyeetnuut

avatar
Professor de Hogwarts
Professor de Hogwarts
Off: -Pensamento. - Fala; Narração.

Dharana BlackCrow escreveu:Limpou a garganta do pigarro do cigarro depois de deliciar-se com a primeira colherada do sorvete.

-Se esta atitude fosse perpetrada por um homem, ela tinha levantado da mesa e nunca mais olhado para a pessoa, além de fumar, que outro crime imperdoável para a maioria das mulheres desta geração. Mas o mais estúpido é que ela é uma linda mulher e eu não estou olhando para nada disto.

Escuta ela com atenção, permeado por uma ou outra colherada no sorvete.

Dharana BlackCrow escreveu:- Sinto decepcioná-lo, mas é apenas um nome a toa que nos deram no orfanato onde cresci. A pessoa que nos encontrou não fazia idéia de como nos nomear pois não tinhamos documento algum.- A única coisa que tenho, e que deve ter pertencido a minha familia, é um broche que estava preso no cobertor. Nele a figura de um corvo negro esta adornado por algumas pedras.


-"Nos", plural quer dizer que foi mais de um encontrado mais ou menos na mesma época, o símbolo, pode ser um brasão e não são muitas as familias que podem ter ou ter tido o corvo como um símbolo. A excessão dos países nórdicos, ele não é um símbolo de bom agouro, em muitas partes similar a coruja. Uma investigação poderia ser feita a respeito.

-Mas seguindo a regra universal de que se você quer ter a mínima chance com uma mulher, amigo e analista são os últimos rótulos que você quer ser classificado, obrigado eu passo. Inclusive o assunto.


Dharana BlackCrow escreveu:- E o senhor, o que o traz a londres em um dia tão quente? - mudar de assunto sempre era providencial - O senhor já pensou em testar a sua teoria do paradoxo e nos ajudar a resgatar um livro em especial que estamos tentando trazer para a biblioteca?

Sorri e diz para ela:

-Estava em busca de um ingrediente para uma experiência. Eu e uma amiga, esperamos isolar o elemento de morfose da poção polissuco. - sabe que como ela, pode falar tranquilo - - E usar esta característica para copiar elementos físicos proveitosos, como a combinação sináptica de William James Sidis, ou as células HeLa de Henrietta Lacks. Lembrando que Poções podem ser ensinadas aos trouxas e criaturas mágicas, digo podem não disse que vão, e alterações genéticas benéficas tendem a descer a linhagem, subir o padrão médio de QI da humanidade de 91 a 110 para 300, vai ser algo bom para todos.

Mais uma colherada absorvendo o sabor, e deixando um momento para ela absorver a informação e complementa.

-Sim eu pretendo tentar resgatar alguns livros, meu primeiro plano é tentar resgatar Hermocrates de Platão. Como uma mulher culta - ele disse um fato não fez uma pergunta - sabe que Critias terminou no meio de uma sentença. E Hermocrates era parecido com os dois primeiros, teríamos conceitos além do genial para a época, como moléculas, imagine um livro escrito por um dos mais influentes pensadores de hã.... todos os tempos escreveu sobre como o universo aconteceu.

-Mas na minha lista eu quero ver se consigo o Como Construir Esferas de Arquimedes, que tem os planos completos do mecanismo de Antikythera, mas se conseguirmos é melhor deixar longe dos alunos. Não vamos querer viajantes temporais que vão até a idade antiga...Aliás foi por isto que os magos romanos destruiram este livro. Não queriam que a Grécia, usasse viagem temporal contra eles de novo. Já bastava os rôbos e os lanças-chamas.

-Como certeza o modelo de Tesla, que usa eletricidade para imitar e suplantar o modelo de arco que tem no Departamento de Mistérios, está em minhas pretenções também.

-Além, é claro, o Documento Q, que é não sei a coisa mais influente já escrita desde a escrita. O Gospel de Eva é legal também, para uma afirmação supostamente teólogica de que sexo é benção divina.

-Bem eu tenho alguns outros de cabeça, mas estes são alguns do que mais me atraem a ideia no momento, junto com o Da Cura das Doenças por Hipocrates e Viagem no Espaço por Muhamed, todos perdidos "para sempre".

5 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Qui Set 16, 2010 8:48 pm

Dharana BlackCrow

avatar
Não era preciso ser uma Legilimens para saber o que ele pensava no momento. O olhar direcionado ao artefato na sua mão foi muito eloquente e a expressão de desprezo foi totalmente evidente. Esse hábito, que sabia ser nada saúdavel, adquiriu na adolescencia onde parecia ter mãos demais para corpo de menos. A timidez e falta de companhia em festas sempre se amenizou quando se distraia com um cigarro nas mãos.

Também aproximava rapazes que se ofereciam para acende-lo ou ainda para pedir um. Apenas quando ficava nervosa alçava mão de um destes.

A explicação sobre a origem do seu nome de familia pareceu satisfazer o professor, que ao contrário das pessoas em geral, não se ofereceu para ajudá-la a descobrir o seu passado. Nem permitiu que ela contasse que não foi deixada bebe na porta do orfanato e sim encontrada sem memória,vagando em um park de londres, em companhia de uma outra criança. Contava então com a idade aproximada de dez anos. E sua vida antes disso pertence a um passado que ela desconhece.

Guardou seus pensamentos para si. Se não interessava verbalizar, muito menos falar por pensamento. Dedicou um pouco da sua atenção para um pedaço de côco que angustiantemente se infiltrara entre os molares. Bebeu um gole da água que acompanhava o sorvete, enquanto ouvia com renovada atenção as explicações do professor sobre a sua busca pela cidade.

- Essa experiência será realizada mesmo na escola? Minha formação cientifica é suficiente para tal assunto atrair minha curiosidade. Caso o senhor permitir, estarei a disposição para manter registros atualizados sobre o andamento de seus progressos. - Com muita curiosidade no olhar e completa atenção ao discurso, perguntou curiosa:

- Exatamente porque o professor entende que um único elemento é responsavel pela transmutução de um individuo? Mudanças neste nivel elementar demandam grande quantidade de energia. Deslocar bases puricas e rearranjá-las em uma nova sequencia de DNA é um esforço estraordinario. Seria o elementou ou o feitiço usado na confecção da poção o responsavel por seu efeito?

Enquato falava seu olhar tornava-se distante. Seus pensamentos a levavam a intrincados raciocinios e ela parou de falar e permitiu que ele visse o que se passava na sua cabeça , era mais facil expor seu pensamento sobre esse assunto do que verbalizá-lo. Os olhos fixos nos deles, nivelando os acessos ao que interessava no momento.

A tarde corria agradável e há muito o que sobrara do sorvete escorria pela taça. Discorriam agora sobre seu assunto preferido: Livros e o que podemos aprender com eles.

Ouvia com fascinio ele falar sobre obras perdidas e sonhava em colocar suas mãos em um só que fosse, daqueles exemplares maravilhosos que ele citava e ela só conhecia das aulas de história da mágia. Esqueceu onde estava e o que fazia ali. Viajou na imaginação das milhares de mudanças que o mundo bruxo seria submetido de eles voltassem a vida.

- Professor Xyeetnuut, uma variedade de semente é extinta a cada dia no mundo, segundo recente estudos britânicos. Isso nos leva a imaginar quantas espécies ja se extinguiram e quais seriam as sua propriedades curativa-las. Teriamos deixado se perder a cura de importantes males do corpo por não preservar determinadas plantas?

- Se para cada agressão que a homeostasia sofre, o ambiente fornece o que for preciso para restaurar a energia do individuo ou curar a doença como os trouxas falam, que tipo de arvores existiam na pré-história e de que doença os dinossauros eram suceptiveis?

- Existe um livro muito famoso que trata sobre isso. Sobre plantas que não existem mais. O senhor já ouvi falar sobre ele?


A ansiedade era visivel nas mãos que se retorciam em busca da carteira. Abriu e dela tirou um cigarro, buscando aviadamente o conforto que o fato de levá-lo a boca proporcionava.

Aproveitando os conhecimentos da professora de herbologia, os estudos do tempo do professor aqui presente e do professor de dimensoes mágicas, e os seus proprios conhecimentos destes assunto, sonhava em realizar uma espediçao temporal e resgatar nao so o livro, mas algumas das sementes extintas em passados longuinquos e estuda-las.


_________________

6 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Sex Set 17, 2010 6:43 pm

Ctaaciug Xyeetnuut

avatar
Professor de Hogwarts
Professor de Hogwarts
Dharana BlackCrow escreveu:- Essa experiência será realizada mesmo na escola? Minha formação cientifica é suficiente para tal assunto atrair minha curiosidade. Caso o senhor permitir, estarei a disposição para manter registros atualizados sobre o andamento de seus progressos.


-Eu espero que sim senhorita, e sua ajuda será sempre mais que bem-vinda.

Dharana BlackCrow escreveu:-Seria o elementou ou o feitiço usado na confecção da poção o responsavel por seu efeito?

-Existe uma experiência simples que me ocorreu agora, que pode tirar esta dúvida senhorita Blackcrow. Peguemos uma criança bruxa de onze anos, idade que já pode dominar técnica e ainda a magia é uma força criativa capaz de gerar efeitos acidentais.

-Ensine a ele os movimentos e palavras de Wingardium Leviosa, com uma pena em sua frente, só que ao invés de contar para ele que a pena irá flutuar, diga que ela se transformará em uma borboleta azul.

-Se ela flutuar, é sinal que a magia é uma força externa a nós que nossos genes, palavras e gestos são meios de interação com esta força, como um teclado e um mouse para interagir com os programas de um computador e se você apertar “b” querendo escrever “a” não vai dar certo. Ai o elemento é o mais importante.

-Se a pena se transformar em uma borboleta, então a magia é uma força interna, um subproduto da interação de nossa energia pessoal, e os detalhes são facilitadores não limitantes do processo. Como técnicas que auxiliam o pintor na criação da obra, apesar de aqueles com talento poderem criar obras sem precisar necessariamente recorrer a uma técnica ou outra. Ai o feitiço faz toda a diferença na poção, pois é um produto da magia pessoal do bruxo.


E então ela fala sobre espécies que são extintas de plantas e de um manuscrito sobre algumas plantas mágicas e trouxas perdidas.

Dharana BlackCrow escreveu:- Existe um livro muito famoso que trata sobre isso. Sobre plantas que não existem mais. O senhor já ouvi falar sobre ele?

Ele para de tomar o sorvete e abre sua pequena bolsa agora transformada em vasile, para melhor se mimetizar ao ambiente, pega um livro cujas páginas estão protegidas por uma energia transparente, como uma magia Protego circunscrevendo o contorno de cada uma delas.

Estende para ela.

http://www.4shared.com/document/fo65CyIg/El_Manuscrito_Voynich.htm

-É este? O Manuscrito de Voynich?

- Seu mistério e tradução ainda me desafiam, mas tenho esperanças em sua resolução antes de recorrer a uma viagem cronal. Um pouco de vaidade minha enfim.

-Pode ficar, um presente para você...

-...Se não fumar em nossa presença, senhorita.


Diz com um olhar descontraído para ela.

Off: O link não é vírus, podem ficar tranquilos gente. lol!

7 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 19, 2010 3:53 pm

Dharana BlackCrow

avatar
Sorria diante de idéia dele de testar a magia com uma criança. Tão simples e ao mesmo tempo tão genial...

- Minhas convicções levam a acreditar que a pena vai flutuar, mesmo que o pequeno bruxo deseje ver uma borboleta azul... Esta ai algo que gostaria de presenciar. Tenho até a pessoa em questão para executarmos o teste. Fico as suas ordens para darmos andamento a essa " experiência.

Uma profunda tragada levou a nicotina a todos os recantos do seu cérebro fazendo as mãos pararem de tremer e ela se deliciar com este efeito. Sentiu o gosto da fumaça espalhar pela sua boca e ao abri-la com delicadeza, os lábios formando um "O" perfeito, jogou a cabeça para traz, desenhando pequenos circulos com a fumaça. Eles iam se entrelaçando e desaparecendo lentamente. Fixando seu olhar por uns momentos.

Ao ve-lo abrir a valise e dela retirar o seu conteudo, engasgou. Tossiu violentamente . Todo o trato respiratório ardia e lágrimas vieram aos seus olhos. Corou e ficou boba. Ele não só sabia do que se tratava, como tinha ali, bem a mão, um precioso exemplar.

Recebeu o presente em estado de extase. E forçou a voz a sair com um pouco de firmeza, embora bastante embargada pela emoção e pelo efeito da nicotina que queimava o ar que ela respirava. Acenou com a cabeça concordando com a proposta. Uma criança não daria sua chupeta ao Papai Noel com tanto bom grado como ela naquele momento. O cigarro se desmaterializando e o ar purificando a sua volta. Baixou suas defesas totalmente e permitiu que ele tivesse acesso a sua mente.

- O senhor... tem.. tem.. certeza que quer dar isso a mim? - Falou em pensamento.

Tremula, apalpou o volume com o mesmo cuidado com que tomasse as mãos o mais precioso e delicado cristal. Deixou as suaves pontas de seus dedos, emoldurados por unhas bem tratadas, correrem pela superficie da capa do manuscrito, como quem acaricia a pele de um amante a muito desejado e esperado. A emoção guiando seus gestos e tuas atitudes.

Ainda sem ouvir a resposta, fixou o olhar em cada detalhe da obra, e com toda a reverência e cuidado com que se trata uma pura e inesperiente virgem, abriu a capa da edição e deixou os olhos se maravilharem com suas páginas.

Esqueceu do mundo, esqueceu do ar que precisava para respirar e tanto estava custando sorver. Entrou em um estado de êxtase que pouca gente entenderia. Um orgasmo deveria ser assim. Estar diante daquela obra era uma oportunidade única, e como a dama que aos poucos desnuda seu recem adquirido marido, permitiu-se folhar e conhecer cada particularidade da obra em suas mãos.

O tempo passou lento ali e quando finalmente ergueu seu olhar, para o belo homem que a acompanhava, eles estavam completamente enlevados e mágicamente luminosos. Sem palavras, pensou tentando entender primeiro: - Porque alguém andaria com essa preciosidade na valise ; em segundo: porque daria a ELA? e em terceiro: O que ele esperava em troca?

A dura vida que tivera a ensinara que nada vinha de graça. Tudo tinha um preço e mais cedo ou mais tarde as pessoas faziam os seus acertos de dívidas.

Ainda dentro do espaço que criara entre o pensamento dele o dela, o encarou esperando respostas. O livro fortemente acalentado contra os generosos seios, como uma mãe que acolhe seu rebento e tenta protege-lo do mundo a sua volta.


_________________

8 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 19, 2010 5:00 pm

Ctaaciug Xyeetnuut

avatar
Professor de Hogwarts
Professor de Hogwarts
Dharana BlackCrow escreveu:- Minhas convicções levam a acreditar que a pena vai flutuar, mesmo que o pequeno bruxo deseje ver uma borboleta azul... Esta ai algo que gostaria de presenciar. Tenho até a pessoa em questão para executarmos o teste. Fico as suas ordens para darmos andamento a essa " experiência.

- Quando você tiver uma oportunidade, senhorita, podemos marcar de maneira que fique bom para ambos. A seu tempo.

Dharana BlackCrow escreveu:- O senhor... tem.. tem.. certeza que quer dar isso a mim? - Falou em pensamento.


- Ora que interessante, sua legimancia é tão fluente... Já pensou em implantar memórias em alguém? O cérebro não sabe a diferença entre memórias vividas ou criadas, uma simples dissociação ou reassociação de algumas memorias podem fazer muito bem a psique. Mas Respondendo a pergunta, com a condição satisfeita, sim senhorita o livro é seu.

Responde, com uma lembrança de si respondendo, que foi enviada a ela, para exemplificar sua posição.

Dharana BlackCrow escreveu:- Porque alguém andaria com essa preciosidade na valise ; em segundo: porque daria a ELA? e em terceiro: O que ele esperava em troca?

-Porque gosto quando possível, trabalhar em uma pesquisa em momentos de inspiração, então é sempre útil ter o que puder ser acessível. Porque dar a você? Porque penso que você apreciaria ele, e vai se dedicar a desvendá-lo com um afinco que poderia superar o meu. E não espero nada em troca, pois penso que o conhecimento ser apreciado e existir uma luta por sua ampliação já é recompensa suficiente.

E pega mais uma colher de seu sorvete e aprecia calmamente.

9 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 19, 2010 6:06 pm

Dharana BlackCrow

avatar
As palavras dele soam dentro dos seus pensamentos e ela acreditou em tudo o que ele falou. Motivos para o contrário não existiam. Abraçou o livro mais um vez, e num gesto impulsivo, levantou e o abraçou efusivamente, agradecendo de verdade pelo presente.

Voltou para seu lugar como se o ocorrido fosse a coisa mais natural do mundo e ficou a pensar em uma forma de agradecer quando fosse propricio.

- O senhor teria um tempinho extra ainda ou tem algum compromisso no castelo?
- bloqueou os pensamentos para não estragar a surpresa.


_________________

10 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 19, 2010 6:19 pm

Ctaaciug Xyeetnuut

avatar
Professor de Hogwarts
Professor de Hogwarts
-No momento não senhorita, algumas anotações, pesquisas e planejamentos podem esperar sem prejuizo.

Terminou o sorvete e pagou a conta integralmente pois assim deve ser, não se deve deixar uma dama pagar a conta quando você a convida para sair.

Deixando uma generosa gorjeta para a atendente, pois é bom gerar boa vontade onde você pode ir como hábito, ele fala para ela em complemento.

-Porque, senhorita? - dando um olhar e um leve sorriso, um misto de curiosidade e interesse.

11 Re: Sorveteria O Velo de Ouro em Dom Set 19, 2010 6:41 pm

Dharana BlackCrow

avatar
Estranho o fato dele pagar toda a conta, não lembrava mais quem convidara a quem, mas sorriu agradecida.

- O senhor já pode confiar em mim? - Pensou para ele outra vez e quando viu o sorriso em concordancia, aproximou-se respeitosamente e pensou - isso é para sua proteção - enlaçou seus braços em volta dos dele e desaparatam antes que ele protestasse.

off: a concordancia dele foi aceitada por msn
este post continua em http://incantatem.forumeiros.com/hogsmeade-f22/ruas-de-hogsmeade-t26.htm#10211


_________________

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum